Thursday Feb 03, 2022

Entendendo Genética

Novos Traços

Uma forma de novos traços poderem surgir numa população é quando há uma mudança de DNA que é passada para a geração seguinte. Há muitas maneiras de gerar essas mutações.

As vezes uma célula comete um erro quando está copiando seu DNA ou DNA é danificado por produtos químicos, radiação ou algum outro agente. Se esse erro está num óvulo ou esperma (ou numa célula que se tornará um óvulo ou esperma), então ele pode ser passado.

Imagine que esse erro está no gene TYRP1. Ele muda um C para um T em uma determinada posição e isso resulta em uma pessoa com cabelo loiro. Agora temos o nosso ancestral loiro.

Tal é provavelmente o que aconteceu nas Ilhas Salomão. Alguém desenvolveu essa mudança de DNA e a passou para seus filhos.

Obviamente agora temos uma pessoa e alguns descendentes que têm essa diferença que leva ao cabelo loiro. E como o traço é recessivo, serão necessárias algumas gerações para que o cabelo loiro seja visto. Mas mesmo assim temos apenas algumas pessoas com a diferença genética.

Tinha que acontecer alguma coisa para que isso se tornasse tão comum na população das Ilhas Salomão. Que algo poderia ser devido a alguma vantagem de ter cabelo loiro ou simples sorte.

Se o cabelo loiro tivesse uma vantagem, então as loiras teriam mais filhos do que as pessoas de cabelo mais escuro. Com o tempo, o número delas aumentaria.

Alternativamente poderia ser que um dos membros fundadores das ilhas tivesse a mutação da loira. Ou talvez alguma catástrofe tenha acontecido onde havia apenas alguns sobreviventes, um dos quais, por acaso, teve a mutação. Quando a ilha foi repovoada a partir desses sobreviventes, as loiras seriam muito mais comuns do que antes da catástrofe. Em ambos os casos, as loiras constituiriam uma parte significativa da população, mesmo sem uma vantagem.

Então aí você tem. Todas as loiras não compartilham o mesmo ancestral loiro. O cabelo loiro tem aparecido em tempos diferentes e de formas diferentes.

Pelo Dr. Barry Starr, Universidade de Stanford

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Back to Top